top of page

Organização e Auto Organização

É possível ter equipes ágeis 100% auto-organizadas?

Auto organização é sempre algo bom? Organização é algo sempre ruim?

Introdução


Qualquer profissional experiente que trabalha com agilidade, tem como certo, que para ser ágil, é preciso que as equipes sejam auto-organizadas.


Mas será que é possível ter equipes puramente auto-organizadas?

E isso é necessário? É desejável?


A maioria dos autores sobre o assunto, argumenta que a auto-organização é uma premissa para ser ágil.


Todavia, ao longo de muitos anos trabalhando com transformações organizacionais e temas ágeis, observei (Tatiana) com muita curiosidade a evolução de muitas equipes em busca da auto-organização.


E a pergunta que sempre tinha em mente era:

Um time auto-organizado será um time melhor?


Isto é, será que a busca por auto-organização deve ser realizada ao máximo, independente do contexto em que atuamos?


Minha intuição sinalizava que a organização e a auto-organização co-existem no mundo real e que a busca deve ser para que essas duas forças atuem de forma balanceada, e não para que uma se sobreponha a outra.


Foi somente quando li o livro “Confluence”, de Cynthia Kurtz, que encontrei a fundamentação para minha suspeitas.


Confluence


No inicio de 2021, tive a oportunidade de ler o “Confluence”, antes da sua publicação, com o objetivo de contribuir com minhas impressões sobre o livro.


O “Confluence” é um framework criado por Cynthia, que possibilita que situações possam ser significadas, observando como as forças de organização e auto-organização interagem, diante de uma situação.


Para que você possa entender a forma como encontrei a fundamentação que eu buscava no “Confluence”, é preciso trazer algumas definições básicas do livro:


Agentes são “Coisas” que se relacionam entre si. “Coisas” como pessoas, carros, pássaros, ou areia.




Agentes Locais são agentes que se relacionam com um vizinho próximo, como carros perto um do outro em uma rodovia.





Quando um padrão global, como o trânsito, surge como resultado da natureza desses agentes locais, o fenômeno é chamado de auto-organização.


Um padrão que emerge da auto-organização nos faz pensar que ele foi planejado por alguém, mas não foi!


Simplesmente aconteceu por si só!


Em contraste, organizador é uma “Coisa” que pode ver e alcançar todos os agentes em uma grande área e pode agir com intenção. Quando um organizador quer criar um padrão, ele simplesmente coloca os agentes onde quer que eles fiquem. Quando você vê um prédio ou uma estrada, você pode ter certeza alguém colocou aquilo ali por alguma razão. Isto é organização.




Para que haja organização, é preciso que exista um organizador capaz de:


1.) Saber sobre padrões globais: Consciência

2.) Alcançar os agentes: Acesso

3.) Ter um propósito claro: Intenção


Se você pensar sobre o trânsito em uma rodovia, você pode entender como organização e auto-organização fluem juntas. O plano organizado tem forte influência em como o trânsito se move, mas o trânsito se move também de forma auto-organizada, aliviando e intensificando, sem ninguém no comando.


As duas forças agem no fluxo do trânsito ao mesmo tempo.


A vida é por si só, é um fenômeno auto-organizado feita de muitas interações entre moléculas, células, órgãos e organismos.


Ao mesmo tempo, seres humanos, são naturalmente organizadores: nós agimos com consciência, com intenção e influenciamos outras pessoas e seres.

  • Equipes ágeis são feitas de seres humanos (auto-organização).

  • Estes seres humanos fazem seus trabalhos com intenção (organização).

  • Cada membro do time ágil interagem com pessoas ao seu redor (auto-organização).

  • Cada líder do time, faz planos para toda a empresa (organização).

  • Times ágeis interagem com outros times ágeis, habilitando que padrões globais emerjam (auto-organização).

  • Equipes ágeis atuam em empresas, cujos líderes fazem planos para toda a empresa (organização).

Em todos esses níveis, organização e auto-organização, agem nos times ágeis ao mesmo tempo.


Não somente times ágeis, mas em qualquer ambiente onde há seres humanos, organização está presente, interagindo com auto-organização.


A busca não deve ser portanto, como eu suspeitava, para que a auto-organização prevaleça sobre a organização, ou vice-versa, mas para que possamos entender como ambas as forças se influenciam mutuamente para que possamos influenciá-las, quando possível, a atuar de forma equilibrada.


Se a organização é bom ou ruim, vai sempre depender do contexto…

Da situação….


O balanceamento ideal entre as duas forças (auto-organização e organização) pode ser atingido através de interação contínua e experimentação. Todavia, devemos esperar que essa meta seja móvel, já que o nível de balanceamento desejado muda com o tempo.


A boa notícia, é que o “Confluence” criado por Cynthia, pode nos ajudar a buscar equilíbrio entre essas duas forças em nossos contextos.


Pode nos ajudar a ver com consciência, como a organização e a auto-organização se relacionam em determinada situação, e o que podemos fazer quando há um padrão não desejado.

“Confluence” usa uma ferramenta, chamada de “Espaço para pensar”.

Nós colocamos situações no espaço, de acordo com a presença da organização e auto-organização nas situações.





Por exemplo, quando um projeto novo está iniciando, criar um ambiente que permite pessoas discutir o desafio para o qual o projeto está sendo criado e permitir que diferentes ideias emerjam do grupo, é provavelmente melhor do que ter apenas uma pessoa criando todo o plano do projeto sozinha. O melhor lugar para esse contexto é no lado superior esquerdo do espaço, onde organização é fraca e auto-organização é forte.


Por outro lado, alguns desafios como construir um equipamento específico, que requer grande quantidade de conhecimento especializado, pode requerer que o plano seja realizado por um “expert”. O lugar para esse contexto é do lado inferior direito, onde organização é forte e auto-organização é fraca.


Em cada situação, buscamos o melhor “mix” de organização e auto-organização para o time em questão, dentro do contexto.


O “confluence” é portanto, a combinação de planos intencionais e padrões espontâneos interagindo juntos no mundo real.





Cynthia, obrigada pelo “Confluence” e por toda a luz que ele traz para a organização e a auto-organização!


Para saber mais sobre o confluence, visite cfkurtz.com/confluence:

Entenda como podemos ajudar você a praticar o confluence e trazer agilidade para os negócios, contactando tlima@brazil.businessagility.institute.


Escrito por Tatiana Feitosa e Cynthia Kurtz.

15 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page